[PT] "Encontro Magick seguido de A Boca do Inferno" de Miguel Roza



★ ★ ★ ☆ ☆

Encontro Magick seguido de A Boca do Inferno
Miguel Roza
Assírio e Alvim, aprox. 570 páginas

Uma novela policial de Fernando Pessoa e toda a correspondência que lhe deu origem, com o "mago", poeta e pintor inglês Aleister Crowley, além de outras personalidades do mundo esotérico tão caro a Fernando Pessoa. Compilações de rara iconografia da época, fac-símiles e notas elucidativas existentes no dossier Crowley-Pessoa, organizadas por um seu sobrinho.

O meu interesse por Fernando Pessoa é acidental, na melhor das hipóteses, e o mesmo se pode dizer para Aleister Crowley, mas a sua associação - por muito breve que tenha sido, e tendo culminado no falso suicídio de Crowley na Boca do Inferno - sempre que pareceu curiosa.

Ora bem, encontrei este livro na Bertrand há uns tempos, e ataquei. O livro está estruturado em duas partes: uma selecção de correspondência entre Pessoa e Crowley; e o rascunho da novela que Pessoa começou (mas nunca terminou) relativamente aos eventos passados na Boca do Inferno.

Os acontecimentos retratados, em si, são interessantes (é divertido ver o outro lado de Pessoa, com um ligeiro sentido de humor, e uma dose saudável de oportunismo), mas da parte de Miguel Roza, o autor, acho que faltou uma conclusão, algo que pontuasse o final do livro para que o leitor não virasse a página no fim da novela de Pessoa para encontrar apenas o índice. Da forma como o livro foi estruturado, sem essa hipotética conclusão, pareceu-me claro que o autor estava muito mais interessado no lado de Pessoa do que no lado de Crowley - e se é verdade que o fim da associação de ambos é o momento lógico para terminar o livro, também me pareceu que ficava tudo um pouco no ar. O que aconteceu a Crowley depois do seu falso suicídio? Quando é que ele reapareceu em público? Quais foram as consequências do embuste? Houve mais artigos jornalísticos sobre o assunto, tanto em Portugal como no estrangeiro?

Teria sido interessante obter essas informações - como o livro está, parece incompleto, já para não dizer ligeiramente "preguiçoso".

0 comentários:

Enviar um comentário